terça-feira, 6 de janeiro de 2009

(...)
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.
(...)
O que eu sou hoje é como a humidade no corredor do fim da casa,
Pondo grelado nas paredes...
(...)


Álvaro de Campos, in Poesias, Ed. Ática

2 comentários:

Ana disse...

O meu heterónimo favorito do Fernando Pessoa.

Adoro os poemas...

:-)

Jóana disse...

Vamos outra vez? =)

beijinhoS**